segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Testemunha diz que Marcos Pereira é mandante de assassinato de fiel


pastorAdelaide foi estrangulada supostamente porque estaria preparando um dossiê contra o pastor, relata a testemunha, segundo a revista IstoÉ. A testemunha, que pediu proteção policial, disse que não o denunciou antes por medo, mas agora decidiu que deve fazê-lo.
De acordo com ela, a vítima havia dito que Pereira recebia de traficantes para fazer os cultos, história confirmada pela mãe dela, Amélia Pinheiro Batista, 65 anos.
Marcos Pereira está atualmente preso no Complexo Penitenciário de Bangu, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Segundo o Ministério Público e o delegado titular da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod), Márcio Dubugras, dezenas de mulheres afirmaram ser vítimas de abuso sexual do pastor. Entretanto, apenas dois casos viraram processo.
As acusações surgiram depois de investigações feita pela polícia por denúncias feitas pelo líder da AfroReggae, José Júnior.

O coordenador da ONG trabalhava junto com o pastor mas depois de um desentendimento o acusou de querer matá-lo em 2010. O pastor passou a ser investigado também por envolvimento com o tráfico, lavagem de dinheiro e participação em homicídio.
Marcos Pereira afirma que José Júnior foi responsável por coagir pessoas a fazerem denúncias contra ele. Uma gravação feita por uma família mostra integrantes da AfroReggae tentando convencer um membro da ADUD a prestar depoimento contra o pastor.
Outras supostas vítimas do pastor gravaram vídeos declarando que foram forçadas por membros da ONG a prestar contra Marcos Pereira.
Há cerca de duas semanas, uma conversa gravada entre dois grandes nomes do tráfico de drogas no país, Fernandinho Beira-Mar e Marcinho VP apontou que José Júnior teria comprado “um montão de testemunhas” para depor contra o líder religioso.
José Júnior desmentiu as declarações dos traficantes e a polícia acredita que dessa conversa surgiu o comando aos recentes ataques que a ONG sofreu, no Rio de Janeiro.